coeg

Trabalhadores são impedidos de fazer passeata, mas continuam protestando em Suape

Atos devem continuar até que os valores devidos sejam depositados de forma integral.

Trabalhadores do consórcio Coeg – formado pelas empresas Conduto e Egesa – continuam de braços cruzados e reunidos próximos à Refinaria Abreu e Lima, no Complexo Industrial de Suape. A passeata, programada para a manhã desta quarta-feira (14), foi impedida de acontecer pela Polícia Militar, que bloqueou a entrada do carro de som, assim como o acesso dos trabalhadores à Refinaria.

Com o apoio do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplenagem em Geral no Estado de Pernambuco (Sintepav-PE), os funcionários prometem continuar com as ações enquanto os valores devidos não forem depositados de forma integral e afirmam, ainda, que vão entrar com uma ação coletiva contra a Coeg.

De acordo com os trabalhadores, foram prometidos sorteios de motos, um carro e 32 horas extras de bonificação caso o serviço fosse concluído. A segunda parcela do 13º salário também não foi depositada, apesar de constar na folha a transferência dos valores. Os funcionários demitidos também não receberam o aviso prévio e nem o PLR (participação nos lucros).

Há informações ainda de que um navio carregado de nafta está ancorado no porto desde segunda-feira. O descarregamento depende dos funcionários da Coeg e o prejuízo já chega a R$ 46 milhões por dia.