trabalhadores

Trabalhadores da Refinaria e Petroquímica cruzam os braços por tempo indeterminado

A medida foi votada na manhã desta quinta-feira (07), durante assembleia que contou com aproximadamente 30 mil trabalhadores. Na próxima segunda (11), será decidido o rumo da greve, dependendo do posicionamento do patronato.

Os trabalhadores da Refinaria Abreu e Lima e da Petroquímica Suape realizam assembleia, nesta quinta-feira (7), em mais uma rodada de discussão sobre a pauta de reivindicações que compõem a campanha salarial 2014/2015. A assembleia geral aconteceu em frente à portaria Oeste (portão dois) da Refinaria, no Complexo Industrial Portuário de Suape, às 7h. Entre os pleitos, um reajuste salarial de 13%.

A iniciativa tem o apoio do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplenagem em Geral no estado de Pernambuco (Sintepav/PE). De acordo com o diretor de fiscalização do sindicato, Leodelson Bastos, a pauta inclui, ainda, o reajuste de R$ 310 para R$ 408 no valor de cesta básica e o adicional de 30% de periculosidade a todos os funcionários. “Isso já era um direito previsto, que não está sendo cumprido. Em todas as outras refinarias os trabalhadores têm esse direito garantido. Menos aqui, em Pernambuco”, lembra.

A proposta do patronato é um reajuste salarial de 7,5% e um acréscimo de R$ 10 no valor da cesta básica. “Não vamos aceitar. Esses R$ 10 não suprem as necessidades dos trabalhadores”, continua Bastos.