crise

Mais uma crise

As coisas não andam nada fáceis na Refinaria Abreu e Lima. Os problemas vão além das denúncias de superfaturamento e desvio de verba, que ganham um novo capítulo a cada dia. O empreendimento, em construção no Complexo Industrial Portuário de Suape, também enfrenta diversos problemas relacionados à esfera trabalhista. O fato do dia: os 800 concursados da Petrobras que atuam no local podem entrar em estado de greve a partir de hoje. O Sindipetro PE/PB, que responde pela categoria, fará uma assembleia com os funcionários para definir o rumo do movimento. E, dessa vez, as queixas não dizem respeito aos salários. Segundo o ofício enviado à empresa na semana passada, são 12 demandas relacionadas às condições de trabalho. Entre as reivindicações está a implementação do turno fixo de forma unilateral, novas práticas de segurança e melhorias no transporte. Neste último caso, além do desconforto, muitos funcionários dizem que levam mais de duas horas no caminho. O documento relata ainda a exposição de trabalhadores a execução de trabalhos sem o devido treinamento. A greve tem grande chance de acontecer. As reivindicações começaram na semana passada, quando os trabalhadores atrasaram a troca de turno em duas horas. É apenas mais uma pedra no meio do caminho da Petrobras, responsável pelo empreendimento. Somente para lembrar, o Sintepav/PE, sindicato que responde pelos trabalhadores da construção civil, conseguiu esta semana uma liminar exigindo que a estatal arque com os encargos trabalhistas de funcionários de uma das fornecedoras de Abreu e Lima, a Alusa. Talvez já possamos usar a palavra “crise”, que está sendo tão aplicada em referência à Petrobras, quando falarmos da refinaria. Uma verdadeira má fase.

Fonte: Diario de Pernambuco / Diário Econômico