Comunicado aos ex-empregados da Alusa e consorciados

A Alusa informou, no processo desta sexta-feira (12), que não teria como arcar com o saldo dos valores devidos aos trabalhadores. Diante da situação, o Sintepav-PE entendeu que a manobra da empresa, com tal discurso, tem como único fundamento pressionar a Petrobras, utilizando o trabalhador como massa de manobra.

Já existe no processo R$ 54 milhões que serão liberados para os trabalhadores até a próxima quarta-feira (17). E, caso a Alusa não deposite a diferença necessária, a Petrobras deverá ser declarada como responsável pelo pagamento e, assim, aplicada a multa de 50% em benefício dos trabalhadores.