13salario

13º injeta R$ 4,8 bilhões no Estado

SALÁRIO Valor representa 3,8% do PIB estadual. O montante pago aos trabalhadores este ano é 12,2% maior em relação a 2013

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) estima que deverão ingressar cerca de R$ 4,8 bilhões na economia pernambucana por causa do pagamento do 13º salário. Esse valor representa 3,8% do PIB estadual. O montante pago aos trabalhadores este ano significa uma elevação (nominal) de 12,2% em relação ao número de 2013, inferior à média do Nordeste (14,42%) e superior à média nacional (10,1%). Segundo o Dieese, a elevação do benefício no Estado decorreu do aumento de 2,6% no total de pessoas que se beneficiarão da gratificação natalina e de 9,17% (nominais) no rendimento/benefício médio.

A notícia anima os representantes do comércio. O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL Recife), Eduardo Catão, acredita que a maior parte desse valor vai voltar para o comércio. “Mesmo quem vai usar o dinheiro para pagar dívida vai limpar o nome e volta para comprar no crediário”, diz. Ele avalia que o 13º vai impulsionar o crescimento do setor neste fim de ano, depois de um 2014 de vendas fracas. “Esperamos um acréscimo de até 4% nas vendas para o Natal”, comentou. A partir do dia 15 o comércio do Recife abrirá as portas todos os dias, só voltando a fechar no dia 25 de dezembro, dia de Natal.

O impacto do 13º salário na economia é estimado analisando o conjunto dos trabalhadores do mercado formal (público e privado), trabalhadores domésticos e beneficiários da previdência social (INSS e Regimes Próprios), somando um total de 3.268.738 indivíduos. Com 1.826.863 de pessoas, os trabalhadores do mercado formal representam 55,9% do contingente de beneficiários e sua remuneração é 66,9% do total do benefício pago, ou seja, esse grupo é o que recebe o maior valor médio, de R$ 1.766 por pessoa. Os que têm a maior remuneração neste grupo são os assalariados do setor público e do privado, com remuneração média de R$ 1.804. Os aposentados e pensionistas representam 44,1% do total de pessoal e sua a remuneração extra equivale a 33% do montante pago. Seu salário médio é de R$ 1.109. Com 68.455 indivíduos, os trabalhadores domésticos representam 2,1% do total de empregados e 1,1% do benefício, com remuneração média de R$ 780.

Fonte: Jornal do Comércio