ctps

Emprego temporário vira “salvação” para pagar contas

O emprego temporário de fim de ano virou uma espécie de ‘tábua de salvação’ para os endividados liquidarem as pendências com cartão de crédito e mensalidades escolares. Só que em 2014, com o avanço da inflação, o quadro piorou: os candidatos a uma vaga temporária contam com essa renda extra para quitar dívidas de despesas básicas de água, luz, aluguel, gastos com a manutenção do veículo, além de impostos (IPTU e IPVA).

Isso é o que revela pesquisa nacional feita pelo portal de emprego Vagas, que consultou entre os dias 9 e 15 de outubro, cerca mil pessoas que estavam à procura de uma vaga para um cargo operacional (auxiliar de escritório, zelador, manicure, encarregado de limpeza, segurança, por exemplo).

De acordo com o levantamento, 21% dos entrevistados pretendem obter renda extra para quitar dívidas. Deste grupo que pretende usar o dinheiro para pagar dívidas, 28% planeja regularizar as contas de água, luz, aluguel e imposto (IPTU).

No ano passado, apenas 4% dos candidatos a um emprego temporário informaram que as pendências se referiam a esse tipo de despesa básica. Os resultados se repetem quando o destino da renda extra é cobrir despesas com o carro, como seguro, manutenção e imposto (IPVA), exceto a prestação do financiamento.

Cerca de 20% dos participantes informaram que usariam a renda do trabalho temporário para pagar despesas com o carro, em comparação a 1% no ano passado.

— Esses resultados revelam o maior endividamento do consumidor e o menor poder de compra de sua renda, que foi corroída pela inflação — observa Rafael Urbano, responsável pelo estudo.

Ele destaca que as dívidas com cartão de crédito e estudo continuam neste ano na liderança e vice-liderança, respectivamente, da lista de dívidas a serem pagas com a renda do emprego temporário, mas com porcentuais menores do que no ano passado.

Outro dado que chama a atenção é que quase a metade (48%) dos entrevistados informou que a dívida em atraso varia entre R$ 1 mil e R$ 3 mil. No ano passado, 39% tinha esses valores pendentes.

Avanço

Em 2014, 67% dos consultados informaram que estão à procura de uma vaga temporária, com avanço de sete pontos porcentuais em relação à pesquisa do ano passado (60%).

O resultado deste ano retoma praticamente o patamar de 2012, quando 66% dos entrevistados pleiteavam uma vaga temporária. Dos interessados numa vaga temporária, aumentou neste ano a fatia daqueles que nunca tinham buscado um emprego desse tipo anteriormente. No ano passado, 65% nunca tinha realizado um trabalho temporário e, neste ano, 72% estão nessa condição.

— Houve um pé no freio na economia no último trimestre e as pessoas endividadas resolveram procurar outras oportunidades para obter renda extra — diz Urbano, justificando o avanço da procura por emprego temporário.

Segundo o coordenador da pesquisa, um quarto daqueles que procuram um emprego temporário buscam uma primeira oportunidade de emprego. Segundo ele, esse resultado é expressivo, mas, como essa questão foi incluída pela primeira vez na pesquisa, não há dados disponíveis para comparações. O salário médio pretendido pelos temporários é de R$ 1.084.

Fonte: Estadão Conteúdo