Petrobras

Denúncias sobre a Petrobras estão afetando os trabalhadores, diz Força Sindical

Empresas contratadas pela estatal estariam atrasando salários e demitindo pessoal

O presidente da Força Sindical, Miguel Torres, afirmou nesta segunda-feira (8) que as denúncias de corrupção envolvendo a Petrobras estão afetando os trabalhadores e que as empresas contratadas pela estatal estão atrasando salários e demitindo pessoal.

— Acrescentamos a preocupação em relação às obras que a Petrobras contratou e as empresas começaram a não pagar os salários. A crise está chegando nos assalariados.

Ele e dirigentes da CUT (Central Única dos Trabalhadores), CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) e Nova Central se reuniram com a presidente Dilma Rousseff por quase duas horas hoje, no Palácio do Planalto. No encontro, as centrais apresentaram uma pauta de reivindicações para o segundo mandato da presidente Dilma, que inclui a renovação da política de reajuste do salário mínimo e a correção da tabela do IR (Imposto de Renda).

De acordo com Torres, a petroleira está atrasando repasses a empresas contratadas, o que tem afetado os trabalhadores. Questionado se essa situação se deve ao escândalo de corrupção que abala a Petrobras, Torres respondeu:

— A Petrobras não está pagando grande parte dos seus contratos. Deve ser por causa das denúncias. Só pode ser.

Leia mais notícias de Brasil no Portal R7

Segundo relatos dos presentes, Dilma disse que tudo o que envolve a estatal neste momento envolve muito “cuidado” e que os “trabalhadores não podem ser prejudicados”. Ela se comprometeu a consultar a Petrobras e o Ministério Público para encontrar uma solução para que a petroleira possa pagar as empresas subsidiárias sem que isso signifique uma irregularidade.

Os sindicalistas apresentaram uma proposta a Dilma, segundo a qual a Petrobras depositaria na Justiça do Trabalho as indenizações aos empregados, sem necessariamente retomar repasses às contratadas.

Torres relatou problemas com a empresa Alusa, que afetaria 6 mil trabalhadores. Segundo ele, a Alusa foi contratada para realizar obras na refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco, um dos epicentros das acusações de sobrepreço na Petrobras. Ele também mencionou a Iesa, no Rio Grande do Sul, e disse que foi identificado um problema semelhante no Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro).

Salário mínimo

Miguel Torres disse ainda que a presidente Dilma se comprometeu a enviar ao Congresso ainda neste ano uma proposta de correção da tabela do Imposto de Renda. Dilma já editou uma medida provisória neste ano para reajustar a tabela em 4,5%, o centro da meta de inflação. As centrais, no entanto, argumentam que esse índice não repõe as perdas inflacionárias e pediram a Dilma que o cálculo seja feito com base na inflação real – o mercado, por exemplo, projeta uma inflação de 6,38% para 2014.